João Nogueira canta a saudade que sinto do meu Pai.

Publicado: 29 de setembro de 2014 em Fila Benário Fala
Tags:, , ,

320575_2430584009540_1598959346_n
Ontem, dia 28 de Setembro, fez exatos cinco anos que o meu querido pai faleceu.
Aos 54 anos de idade, Venâncio, ou “Seu Venâncio”, como era carinhosamente chamado por todos, deixou três filhos, esposa (que mais tarde viria a falecer também), além de uma multidão de amigos, parentes e familiares que até hoje sente saudades daquele homem com sorriso de garoto.
Dizer que o meu pai foi herói, é clichê, ainda mais hoje em nossa sociedade que a palavra é empregada para um jogador de futebol ou até mesmo um participante de Reality Show de quinta categoria. O meu pai foi muito mais que isso, ele foi, e é o meu maior exemplo, um homem honesto, trabalhador, que teve uma infância difícil e sofrida, mas que se empenhou ao máximo para os seus filhos não passasse pelo o mesmo.
Lembrarei sempre daquele pai que misturava um ar severo e educador com um jeito de criança e alegre, aquele pai que adorava contar um “causo” e de beber exageradamente uma cervejinha, que torcia fanaticamente pelo Corinthians e não teve a oportunidade de ver o seu time do coração levantar a tão cobiçada taça da Libertadores.
E a minha obsessão pela música veio dele também, Papai tinha um gosto musical apuradíssimo, o seu gênero favorito era o Samba de Raiz, mestres como Zeca Pagodinho, Bezerra da Silva, Dicró, Almir Guineto, Jorge Aragão, Arlindo Cruz & Sombrinha, João Nogueira, Paulinho da Viola, Originais do Samba e Demônios da Garoa, faziam a alegria do Seu Venâncio, ao lado de mestres da Soul Music americana como Marvin Gaye, James Brown, Al Jarreau, Stevie Wonder, Michael Jackson, Barry White, Ray Charles, entre outros. Também era fã confesso de Tim Maia e Jorge Ben. E quando o seu filho que aqui vos escreve descobriu o Rock e fez dele o seu gênero musical favorito, o velho Venâncio confessou o seu passado roqueiro com ida aos shows de O Terço, Joelho de Porco, Casa das Maquinas, Made In Brazil e Rita Lee em sua juventude. Ah como eu adorava ouvir essas histórias…
Venâncio nunca foi fã de música sertaneja, mas nos últimos anos de vida me confessou que gostava de algumas canções da dupla Rick & Renner que ouvia com um amigo no trabalho, e achava divertida algumas letras do Teodoro & Sampaio, me contava isso achando que estava cometendo o maior crime do mundo, e que os corpos de Adoniran Barbosa e James Brown reviravam de raiva em seus túmulos. Todos nós temos os nossos segredos e vergonhas musicais meu querido pai.
Porém no meio de toda essa epopéia musical, a canção favorita do meu pai, que tocava profundamente o coração do Seu Venâncio a ponto dele aumentar o volume do rádio e cantar fortemente o refrão junto, era a canção Espelho do mestre João Nogueira.

Nascido no Rio de Janeiro em 1941, João Nogueira foi um dos maiores sambistas que o nosso país já teve. Portela de coração foi um dos principais compositores da citada Escola de Samba nos anos 70. Porém foi em carreira solo com a composição Espelho que João Nogueira alcançou sucesso nacional.
Composição sua em parceria com o também genial Paulo Cesar Pinheiro, espelho foi lançada pela primeira vez no ano de 1972 em um compacto junto com a canção Valsa Feliz, também de autoria da dupla. Em 1977 a canção reaparece no álbum Espelho, que foi sem sombra de duvidas o maior sucesso comercial da carreira de João Nogueira e o classificou como um dos maiores compositores da época.
espelhoA canção em si, um samba tocado harmoniosamente no violão, com uma melodia cadenciada e densa, é uma homenagem de João para o seu Pai, João Batista Nogueira, que partiu precocemente, quando o compositor ainda era um garoto.
Nos primeiros versos da canção João Nogueira fala da profissão do pai, advogado, somada com amor pela música:

O pai de anel no dedo e dedo na viola
Sorria e parecia mesmo ser feliz
.

No decorrer da canção, ele exalta as saudades que sentia do Pai, relembrava uma vida boa caracterizada de sorrisos, alegrias e sonhos. E a partir do “Dia de tristeza me faltou o velho”, veio o medo, a insegurança, a falta e principalmente a saudade. Porém tal perda o fez amadurecer e trilhar o mesmo caminho percorrido pelo pai e no final ele afirma:

Mas eu sei que lá no céu o velho tem vaidade
E orgulho de seu filho ser igual seu pai
.

Porém ele encerra com uma insegurança persistente:

E o meu medo maior é o espelho se quebrar.

O espelho surge como uma metáfora do compositor, ressaltando o medo que ele tinha de um dia se perder pelo caminho e desviar do exemplo deixado pelo pai.

João Nogueira faleceu de infarto no dia 5 de Junho de 2000, meu pai sentiu muito a sua morte e lamentou por dias.
Anos depois o seu filho Diogo Nogueira se lançou na carreira musical se tornando um dos sambistas mais notórios de sua geração.

Esq: João Nogueira com o ainda bebê Diogo Nogueira. Dir: Diogo Nogueira exibindo a tatuagem com o rosto do pai.

Esq: João Nogueira com o ainda bebê Diogo Nogueira. Dir: Diogo Nogueira exibindo a tatuagem com o rosto do pai.

E obviamente a canção Espelho teve um papel fundamental na vida de Diogo, já interpretando a mesma diversas vezes

Tal canção mexia profundamente com Seu Venâncio, já que o mesmo também perdera o pai ainda criança, e acabou também perdendo a infância e amadurecendo rapidamente garantindo o sustento da família.
E hoje essa canção me define, meu pai se foi de infarto fulminante e não teve a oportunidade de ver a sua filha do meio formada, que era o seu maior sonho, também não viu o seu time do coração conquistar títulos importantes, não esteve presente nem no casamento da sua primeira filha e também no momento que eu consegui uma bolsa de estudos 100% para cursar a minha tão sonhada faculdade de Jornalismo, e por fim não colocou a aliança no meu dedo em meu noivado. Mas assim como cantava João Nogueira, sei que no céu ele deve estar vaidoso de ver os seus filhos trilhando o caminho que ele deixou.

E desejo que o espelho nunca se quebre.

Obrigado Pai.

Anúncios
comentários
  1. Juliana Bifani disse:

    Fila…. Que lindo!!!!!! Que sdd do “seu” Venâncio!!! Que Deus o tenha em bom lugar q olhando por ti lá em cima!!!

  2. Carlos Benites disse:

    Texto muito bom. Parabéns! Cheguei ao seu blog justamente porque estava lendo textos sobre o João Nogueira. E parabéns também pelo blog e por trilhar esse caminho que orgulha seu pai.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s