Apresentando Alanis Morissette para os fãs de Taylor Swift

Publicado: 28 de agosto de 2015 em Fila Benário Fala
Tags:, ,

Alanis e Taylor

Ontem mesmo a nossa querida colaboradora e colunista, Beatriz Sanz, escreveu um texto aqui enaltecendo a cantora Taylor Swift como a nova rainha da musica pop.

Não tenho absolutamente nada contra o trabalho da guria, apesar de não ser o meu estilo de som favorito, mas tenho um imenso respeito por ela, assim como tenho por todos os outros artistas que se compromete a fazer um trabalho sério e com dignidade. No entanto ao ler uma notícia envolvendo a supracitada Taylor, que eu fiquei muito, mas muito chocado.

Em seu show em Los Angeles, no dia 24 de agosto (Segunda-feira), Swift chamou nada mais nada menos que Alanis Morissette para dividir o palco com ela, e juntas cantarem o hit You Oughta Know, grande sucesso de Alanis.

Até então tudo perfeito, uma bela homenagem da nova geração da música pop para a Alanis que tem o seu nome gravado na história da música mundial, principalmente por sua ascensão e glória na década de 1990.

Porém após o show, muitos fãs da Taylor Swift se puseram a perguntar nas redes sociais: “Quem era aquela tal de Alanis?”, estão duvidando? Aqui abaixo estão as provas:

Quem é Alanis

Li a notícia incrédulo e fiquei por horas me perguntando: “Como assim eles não conhecem Alanis Morissette?”, cheguei a mandar uma mensagem para a Bia Sanz na mesma hora. Mas passada toda a euforia eu me pus a refletir, e me livrando de preconceitos e julgamentos precoces cheguei à conclusão que a garotada fã de Taylor Swift tem sim toda a razão de não saber quem é Alanis Morissette. Pode até parecer chocante, mas explicarei com os mínimos detalhes.

Quando Alanis lançou o seu disco de maior sucesso, o multiplatinado e premiado Jagged Little Pill, em 1995, muitos fãs da cantora pop country haviam nascido nesse ano, então eles não presenciaram toda a comoção e loucura que esse álbum causou na época.
Alanis Morissette tocava absolutamente em todas as rádios, havia uma piada interna entre eu e os meus amigos dizendo que You Learn e Head Over Feet, dois grandes sucessos de Jagged Little Phil, tocava até em rádio desligado.
A fama da cantora foi tão grande que no ano seguinte ao lançamento do disco, ela veio para o Brasil e se apresentou no extinto “Programa Livre” apresentado por Serginho Groisman no SBT, e ainda fez uma participação no seriado “Malhação” da Rede Globo. Isso tudo no Brasil, lá nos Estados Unidos a “Alanismania” era ainda maior. A cantora era presença constante nos principais programas de televisão como David Letterman, Jay Leno, entre outros. E no mesmo ano ela ganharia o prêmio máximo da música, o Grammy, em 7 categorias, entre elas a de Álbum do Ano.
Resumindo, para nossa geração a Alanis foi uma presença marcante e constante.

No entanto, com o passar dos anos, o trabalho de Alanis foi perdendo o impacto e a relevância, ela lançou sim grandes discos – que irei comentar abaixo – mas nenhum sem o alcance e a popularidade de Jagged…, e na década seguinte ela acabou saindo aos poucos da mídia e aparecendo esporadicamente para lançar um disco, que já não era do agrado de todos, apenas dos fãs mais ardosos.

E foi justamente nessa época que a Alanis sumiu, que os fãs de Taylor Swift apareceram com idade e maturidade para definir o seu gosto musical, e o que eles encontraram para ouvir? Centenas de artistas Pop: Beyonce, Milley Cyrus, Jessie J, Pink, Ke$ha, Kate Perry, Rihanna, além das “veteranas”: Britney Spears e Christina Aguilera, e também da Madonna, que larga o osso nunca. E é claro, a musa máxima desse post, Taylor Swift.

Portanto, ao invés de criticar essa juventude que é “vitima” dessa lacuna de gerações, porque não apresentar Alanis Morissette para eles? E é exatamente isso que eu vou fazer a seguir. Não irei entrar em detalhes de quem é Alanis Morissette, o que ela fez, e por onde ela anda hoje, isso qualquer Wikipédia mostra, mas vou pelo mais importante e essencial, pela sua música e seus principais discos.

GUIA ALANIS MORISSETTE

1 – Comece pelo óbvio
1

“Jagged Little Pill é o melhor disco da Alanis Morissette”, repita essa frase 50 vezes e nunca mais esquecerá.
“É o meu primeiro disco da Alanis?” Não, é o terceiro. Alias antes de lançar Jagged Little Pill Alanis já tinha uma carreira consolidada apenas no Canadá, o seu país de origem, onde ela já havia lançado dois discos: Alanis (1991) e Now Is The Time (1992) com uma sonoridade bem Pop e dançante, lembrando Cher e principalmente Madonna na sua fase oitentista, mas ela não havia alcançado os Estados Unidos. Contratada pelo selo Maverick, da supracitada Madonna e sob a produção de Glen Ballard (Michael Jackson, Aerosmith e Kate Perry), Alanis Morissette lançou esse petardo no dia 13 de Junho de 1995, e já foi para as cabeças das paradas de sucessos.
Alanis finalmente abraça o Rock, e isso fica evidente logo na abertura com All I Really Want. A faixa seguinte, o sucesso You Oughta Know vem violenta em todos os sentidos, tanto na letra, na qual Alanis narra a traição sofrida pelo namorado – na época o ator da série Friends, Matt LeBlanc – quanto no instrumental que contou com as participações de Flea (Baixo) e Dave Navarro (Guitarra), ambos do Red Hot Chili Peppers.
Baladas como Perfect, Hand In My Pocket, Mary Jane, Not The Doctor e Head Over Feet, se cruzava com canções pesadas e diretas como: Forgiven, Right Through You, Wake Up e You Learn.
E como não esquecer o sucesso Ironic e o seu divertido videoclipe com quatro Alanis Morissette no mesmo carro?

2 – Ouviu Jagged? Ouça agora a releitura acústica
2

Em 2005, em comemoração aos 10 anos do lançamento de Jagged Little Pill, Alanis Morissette lançou Jagged Little Pill Acoustic, ou seja, é o mesmo disco só que com arranjos acústico gravado em estúdio.
O resultado final é satisfatório, as canções ficaram lindas e trabalhadas. Onde havia guitarras distorcidas foi compensado com arranjos esbeltos de violões.
Outro ponto legal é a faixa escondida Your House, se versão oficial de Jagged tratava-se de uma canção à capela com a dilacerante voz de Alanis, aqui em Jagged Acoustic, ela reaparece em um lindo arranjo musical.

3 – Supposed Former Infatuation Junkie
Alanis_Morissette_-_Supposed_Former_Infatuation_Junkie

Aqui muitos já afirmam que começa o declínio musical de Alanis. No bem da verdade não trata-se de um disco ruim, mas um disco que reflete exclusivamente a vida da cantora no momento.
Após toda a fama e exposição via Jagged Little Pill, Alanis e mais uma amiga, colocou a mochila nas costas e foi viajar para Índia, chegando lá ela se reencontrou consigo mesma e voltou inspirada para o próximo álbum. Daí em diante Alanis foi eliminando as guitarras distorcidas pouco a pouco, foi trazendo a tona temas mais densos como religião, feminismo, drogas e sexo, e fazendo o uso de batidas eletrônicas e melodias mais complexas.
Saiu a Alanis roqueira e entrou a Morissette madura, e Supposed Former Infatuation Junkie, lançado em 1998, retrata essa fase.
Thank U, Front Row, Sympathetic Character, UR, One e So Pure, vem de encontro com a musica Pop. Canções como Are You Still Mad, That I Would Be Good, Heart of the House, traz esse clima mais soturno e introspectivo. Mas o bom Rock ainda está lá com Baba, já com toques orientais, deixando evidente a influencia que a viagem à Índia trouxe. Além de Joining You, que tocou muito nas rádios na época.
Merece ser ouvido.

4 – Um Acústico que retrata os dois CDs
4

Aproveitando todo o sucesso da cantora, a MTV convidou a mesma para participar das gravações do seu programa MTV Unplugged, em meio a turnê do Supposed Former Infatuation Junkie – que na época passou no Brasil em 1999, no recém inaugurado Credicard Hall.
Os arranjos das canções de Jagged…, seriam depois eternizados na releitura já citada lançada em 2005, mas os destaques ficam para as músicas I Was Hoping e That I Would Be Good do disco anterior, que perdeu todas as suas pirações eletrônicas e ganharam belíssimos e poderosos arranjos, infinitamente melhor que os originais. Além da inédita Princess Familiar.
Mas o grande single do disco foi a versão do sucesso King of Pain do The Police.

5 – O último disco de alcance midiático
5
O primeiro disco da Alanis lançado na virada do milênio ainda causou frisson na mídia. Under Rug Swept (2002) foi anunciado pela cantora como uma volta ás origens. Ele tem o seu valor, tem às suas guitarras, como na faixa de abertura, 21 Things I Want in a Love. Tem a sua canção Pop-Rock jovem como You Learn, em formato de Hands Clean, o delicioso single do disco. Mas ainda traz a Alanis introspectiva e madura do álbum anterior e que jamais sairia dela.

6 – Pra mim, o último grande disco relevante de Alanis Morissette
6

Em 2004, após o lançamento do fraquíssimo Feast on Scraps (2002), a Alanis cai em si e tenta salvar a sua carreira lançando So-Called Chaos, na minha opinião o melhor disco da cantora desde Jagged Little Phil. Esse sim voltou às origens, trouxe de volta às guitarras, soube casar melodias Pop com instrumentais Rock. Canções como Eight Easy Steps, Out Is Through, Excuses e This Grudge são a prova concreta disso.
Mas já era tarde demais, Alanis já havia cavado a sua sepultura e o disco mesmo sendo excelente já não falava com a nova geração e não surtiu efeito nos velhos fãs que estavam fartos de suas viagens musicais.
So-Called Chaos ficou marcado apenas pelo single Everything, e por ser o disco que Alanis cortou o seu enorme cabelão.
Mas faça justiça a ele e ouça, tenho certeza que você não irá se arrepender.

7 – Ouça os demais álbuns só por curiosidade
Os demais álbuns, não citados aqui, da discografia da Alanis Morissette, merecem serem ouvidos apenas por curiosidade, mas não acrescentará muita coisa, os essências e melhores já foram destrinchados acima.
Para facilitar o trabalho de vocês, irei escolher  a melhor canção de cada disco não citado, assim já priva vocês de ouvi-los inteiro, e foco volta a ser ouvir os melhores álbuns dela.

Unprodigal Daughter (Feast on Scraps – 2002)

Underneath (Flavors of Entanglement – 2007)

Guardian (Havoc and Bright Lights – 2012)

BONUS

– Taylor Morissette

Se você é jovem, curte Foo Fighters, mas não conhece Alanis Morissette, saiba que o baterista Taylor Hawkins, hoje no Foo, fez parte da banda da Alanis no auge da sua carreira, entre 1995-1998. Inclusive o mesmo veio para o Brasil com ela em 1996.

– O melhor DVD
Jagged
A melhor fase da Alanis Morissette está registrada nesse DVD, Jagged Litlle Pill Live, o vídeo nada mais é que uma compilação ao vivo das melhores apresentações da cantora durante a turnê Jagged Little Phil, ás vezes a mesma canção é apresentada em diversos shows de uma só vez, o efeito é sensacional.
Como eu sou muito camarada, olha ele completinho ai embaixo.

– Alanis atriz
atriz

Além de excelente cantora e instrumentista, Alanis Morissette também atuou como atriz em diversos filmes e seriados, entre eles, no filme Dogma, lançado em 1999, no qual ela faz o papel de Deus.
E na série Nip/Tuck (conhecida no Brasil como Estética) que ela trabalhou na quarta-temporada interpretando a Poppy, a namorada da anestesista lésbica Liz (Roma Maffia).

– Alanis imita Fergie
Alanis e Fergie

Em 2007 Alanis Morissette, fez uma versão totalmente engraçada do clipe de My Humps do Black Eyed Peas, o grupo da estonteante cantora Fergie.
Na paródia, Alanis aparece tentando sensualizar de forma desajeitada assim como a musa do Black Eyed Peas. Fergie por sua vez, fã da cantora, ficou honrada com a homenagem e disse ter se divertido muito, e como retribuição enviou um bolo no formato de bunda para Alanis.

– Taylor Swift não foi a primeira a levar Alanis no palco
alanismorissette-feb11-2005

E para finalizar de onde começamos, Taylor Swift não foi a primeira a levar Alanis Morissette no palco e prestar uma homenagem.
No início de sua carreira meteórica, a também canadense, Avril Lavigne, chamou a cantora no palco e juntas elas interpretaram Losing Grip, sucesso de Avril. E Ironic de Alanis.


Beyoncé por sua vez não levou Alanis para o palco, mas fez um interpretação arrasadora do seu maior sucesso, You Oughta Know.

Britney Spears também tentou fazer, mas ai já é outra história…

– Da mesma árvore genealógica
grammy01

Se você jovenzinho, não conhece Alanis Morissette, talvez seja muito provável que você não conheça essas outras cantoras e bandas na mesma pegada, que fizeram a cabeça da juventude nos anos 90, portanto, aproveita que o tio Fila aqui ta de bem com a vida e se delicie.

Meridith Brooks – Bitch

Sheryl Crow – If It Makes You Happy

4 Non Blondes – What’s Up

Joan Osborne – One Of Us

Lisa Loeb – Stay

No Doubt – Just a Girl

Garbage – I Think i’m Paranoid

Sixpence None The Richer – Kiss Me

10000 Maniacs – More Than This

The Cardigans – Lovefool

The Breeders – Cannonball

De nada.

Anúncios
comentários
  1. Leeeeila_Cesário disse:

    O mundo todo deveria ler este post!

  2. Danilo Costa disse:

    Só faltou a Natalie Imbruglia na Árvore Genealógica .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s