MUITO ALÉM DO BUG DO MILÊNIO #06: Auf Der Maur – Melissa Auf Der Maur (2004)

Publicado: 3 de março de 2016 em Muito Além do Bug do Milênio
Tags:, , , , , , , , ,

Melissa_Auf_Der_Maur_-_Auf_Der_Maur

DISCO: Auf Der Maur
BANDA: Melissa Auf Der Maur
LANÇAMENTO: 2 de fevereiro de 2004
ORIGEM: Canadá
GÊNERO: Hard Rock
FORMAÇÃO DO DISCO: Melissa Auf der Maur (Vocal, Baixo, Guitarra e Teclado), Steve Durand (Guitarra e Backing Vocals), Eric Erlandson (Guitarra), Chris Goss (Guitarra, Piano e Backing Vocals), Josh Homme (Guitarra, Bateria e Backing Vocals), James Iha (Ebow, Guitarra e Backing Vocals), Jeordie White (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra), Nick Oliveri (Baixo), Mark Lanegan (Backing vocals), Ana Lenchantin (Cordas), Paz Lenchantin (Cordas), Fernando Vela (Cordas), Kelli Scott (Bateria), John Stanier (Bateria), Atom Willard (Bateria) e Brant Bjork (Bateria)
PRODUCÃO: Melissa Auf Der Maur e Chris Goss (Queens Of The Stone Age, Screaming Trees, Kyuss e Mondo Generator).
INDICADO PRA QUEM GOSTA DE: Black Sabbath, Soundgarden, Smashing Pumpkins, Alice In Chains, Hole, Helmet, Queens Of The Stone Age, Probot e Drain STH.

HISTÓRIA

melissa-auf-der-maur

A carreira musical da estonteante baixista canadense Melissa Auf Der Maur começou no ano de 1993 quando a mesma era estudante na Concordia University no Canadá e formou com alguns amigos a banda Tinker. Foi nesse período que Melissa conheceu Billy Corgan do Smashing Pumpkins e os dois se tornaram grandes amigos, tanto que em 1994, após a morte da baixista Kristen Pfaff do grupo Hole, Billy sugere para vocalista e líder do grupo, Courtney Love, a entrada de Melissa na banda ocupando a vaga de Kristen.

Courtney assentiu e Melissa Auf Der Maur assumiu o posto e já entrando no meio da turnê do segundo disco da banda o raivoso Live Through This (1994). Em 1998 Melissa grava o seu primeiro e único registro de estúdio com a banda, o super mega produzido e hypado Celebrity Skin, que vem recheado de hits como a própria faixa título, além de Malibu, Awful e Reasons To Beautiful. Tudo parecia caminhar perfeitamente bem no reino de Courtney Love, mas no final de 1999 Melissa Auf Der Maur declara a sua saída da banda alegando incompatibilidade de ideias com os demais integrantes, Courtney obviamente, além de manifestar o desejo de iniciar um projeto solo, já que a mesma cantava infinitamente melhor que a sua ex-patroa.

No entanto, antes de embarcar em voo solo, Melissa atendeu prontamente a um convite de um grande e velho amigo, Billy Corgan, que convidou a baixista para integrar o line up do Smashing Pumpkins em sua turnê de despedida, ocupando a vaga deixa pela baixista D’Arcy Wretzky. Com o último disco do grupo, na época o Machina/The Machines of God (2000), já gravado por D’arcy, mas com Melissa nas fotos promocionais e devidamente creditada como a nova integrante do grupo, o Smashing Pumpkins saiu em turnê pelos Estados Unidos que durou todo ano de 2000.

Após a implosão do Smashing Pumpkins em 2001, Melissa Auf Der Maur fez participação especial no cd de diversas bandas e artistas como Rufus Wainwright e a banda francesa Indochine no qual ela cantou na música Le Grand Secret do disco Paradize (2002).

Mas foi finalmente no ano de 2001 que Melissa Auf Der Maur reuniu um time de feras e grandes amigos como Josh Homme e Nick Oliveri (Queens Of The Stone Age), James Iha (ex-Smashing Pumpkins e Tinted Windows), Eric Erlandson (ex-Hole), Paz Lenchantin (ex-A Perfect Circle, ex-Zwan e Pixies), Mark Lanegan e outros grandes nomes, sob a produção dela mesma em parceria com Chris Goss (Masters of Reality) e começou as gravações do seu primeiro disco solo, que foi gravado entre 2001 e 2003 entre a Califórnia e Canadá.

No dia 2 de fevereiro de 2004, finalmente Auf Der Maur vê a luz do sol, Followed The Waves é a escolha certeira para primeiro single do grupo, já emplacando na faixa de clipes da MTV, principalmente no Brasil, e chegando a posição número 8 da US Billboard Heatseekers. O disco em si foi muito elogiado pela crítica especializada, o semanário musical britânico NME (New Music Express) deu oito das dez estrelas usadas para classificação. A revista americana Alternative Press deu quatro das cinco estrelas que possuem, e o jornalista Keith Phipps do The A.V Club teceu inúmeros elogios a estreia da baixista comparando a sua inspiração musical com a de Billy Corgan. A única pessoa que até o instante momento não se pronunciou a respeito da carreira solo de Melissa Auf Der Maur e o seu álbum de estreia foi seu ex-namorado Dave Grohl, que teve um relacionamento com a baixista de 2000 a 2001.

Comercialmente falando, Auf Der Maur vendeu 200 mil cópias no mundo todo, sendo 35 mil apenas nos Estados Unidos. O disco ainda teve mais dois singles, Real a Lie e Taste You, ambos lançados em 2004 também.

FAIXA A FAIXA

1 – Lightning Is My Girl
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Baixo), Steve Durand (Guitarra), Jeordie White (Guitarra) e John Stanier (Bateria).
Efeitos fantasmagóricos de guitarra vão dando um tom sombrio até a deusa ruiva sussurrar as palavras Lightning Is My Girl e a canção virar um Hard Rock furioso que faria corar o Vince Neil.

2 – Followed The Waves
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Baixo), Josh Homme (Guitarra), Chris Goss (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra) e Brant Bjork (Bateria).
Followed The Waves é o principal hit de Auf Der Maur e faz jus em ser a canção que representa todo esse trabalho. Ela é um Soundgarden com Alice In Chains, Black Sabbath e Smashing Pumpkins batidos no mesmo liquidificador e temperado com um ingrediente mais do que especial, a voz angelical de Melissa Auf Der Maur. Mesmo no meio de tanta barulheira a sua voz permanece doce e suave, imprimindo uma característica única.
A versão do clipe é extremamente editada, cortando momentos e climas essenciais, de certo modo, fique com as duas versões abaixo.

3 – Real a Lie
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal, Baixo e Teclado), Steve Durand (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra) e John Stanier (Bateria).
Guitarra e baixo tocados juntos na introdução já dão a deixa para esse Pop/Grunge pulsante, de refrão fácil, mas mantendo o clima sombrio das faixas anteriores.
O final tocado no violão e no teclado, enquanto Melissa interpreta o refrão de forma tocante, cria um ambiente meio vaudeville.

4 – Head Unbound
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal, Baixo e Guitarra), James Iha (Guitarra), Chris Goss (Backing Vocals) e John Stanier (Bateria).
Head Unbound começa com uma batida seca e compassada de bateria usando apenas o trio: bumbo, caixa e surdo. E assim, permeia durante toda a canção, e só com quase três minutos de música que os pratos enfim aparecem conduzindo a mesma em uma levada semelhante a Black Hole Sun, clássico do supracitado Soundgarden. No entanto o curto trecho se encerra e a música volta ao habitual.

5 – Taste You
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal, Baixo e Guitarra), Steve Durand (Guitarra), Mark Lanegan (Backing Vocals) e Jordon Zadorozny (Bateria).
Com certeza é a música mais bela de todo o disco, a começar da letra que fala claramente de um casal apaixonado em meio uma transa.
Nessa canção, além do contrabaixo, Melissa assume a Guitarra na gravação e isso é perceptível logo na introdução tocada de forma abafada que casa perfeitamente com os seus vocais sensuais. Mesmo com o clima soturno que assombra todo o álbum com as guitarras pesadas que dão o tom a cada música, aqui em Taste You o que reina é a melodia.
Um dos principais destaques de Taste You é contar com os Backing Vocals de luxo de Mark Lanegan (ex-Screaming Trees e Queens Of The Stone Age).
Na versão deluxe de Auf Der Maur, uma versão em francês de Taste You entra como bônus.

6 – Beast of Honor
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Baixo), Steve Durand (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra) e Kelli Scott (Bateria).
Da sutileza de Taste You para a petulância de um cavalo em Beast Of Honor. A guitarra que na anterior começava limpa, aqui já inicia distorcida até a bateria entrar de maneira forte e sermos entregues a melodia pesada que mais parece um Black Sabbath repaginado. O mais curioso disso tudo é que em momento algum Melissa berra, grita, faz guturais à Angela Glasgow ou até mesmo vocais líricos, como são comuns em canções assim. Ela canta com tudo com a sua voz suave o que dá, de certo modo, um toque pra lá de especial.

7 – I’ll Be Anything You Want
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Teclado), Josh Homme (Guitarra), Chris Goss (Guitarra), Steve Durand (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra), Nick Oliveri (Baixo) e John Stanier (Bateria).
Sem sombra de dúvidas é a canção mais Pop, comercial, alegre, mas não menos brilhante de Auf Der Maur. I’II Be Anything You Want que começa com uma batida meio “Striptease de Pin Up”, Melissa brinca com a voz, vai de agudos estridentes a risadas soltas no meio da canção. A letra é muito divertida e o refrão é contagiante e para cantar junto.
Além de Josh Homme na guitarra, a música ainda conta com Nick Oliveri, na época também do Queens Of The Stone Age, fazendo o Baixo.
Um alento preciso em um álbum tão denso e sombrio.

8 – My Foggy Notion
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Baixo), Josh Homme (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra), Ana Lenchantin (Cordas), Paz Lenchantin (Cordas), Fernando Vela (Cordas) e Brant Bjork (Bateria).
Da sua breve passagem no Smashing Pumpkins, Melissa trouxe de influência para o Auf Der Maur os elementos que estão presentes nessa música. My Foggy Notion tem as guitarras pesadas, gravadas por Josh Homme junto com Jordon Zadorozny, melodia arrastada, e um arranjo de cordas gravados pelas irmãs Ana e Paz Lenchantin, essa última aliás já teve passagens no A Perfect Circle e Zwan como baixista, e hoje ocupa o eterno posto de Kim Deal no Pixies.

9 – Would If I Could
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Baixo), Eric Erlandson (Guitarra), Jordon Zadorozny (Guitarra) e Atom Willard (Bateria).
Essa é sem sombra de dúvidas a que mais se parece com a sua antiga banda, o Hole, não é à toa que ela conta com a participação mais do que especial do ex-guitarrista e mentor musical do grupo, Eric Erlandson.
Depois da breve introdução de guitarra sem distorção com a bateria batendo ao mesmo tempo a caixa e o surdo, só faltou entrar a voz de Courtney Love, pois a canção soaria perfeitamente no tracklist de Celebrity Skin (1998). Não é festeira como I’II Be Anything You Want, mas carrega em si uma leveza e um sentimentalismo Pop, apesar das guitarras pesadas de Erlandson e Zardorozny no refrão final. Would If I Could ainda conta com Atom Willard (na época no The Offspring) na bateria.
E a semelhança com o Hole nos leva a reflexão: Por que não era a própria Melissa a vocalista da banda já que ela canta infinitamente melhor que Courtney Love?

10 – Overpower Thee
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal) e Chris Goss (Piano).
A única bola fora de todo o disco. Tocada só no piano, gravado por Chris Goss, e com o vocal sussurrado de Melissa acompanhando, ela te obriga a usar o seu dedo indicador e passar para próxima faixa, que essa sim vale muito a pena.

11 – Skin Receiver
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal), James Iha (Guitarra e Backing Vocals), Chris Goss (Guitarra), Steve Durand (Guitarra e Backing Vocals), Josh Homme (Backing Vocals), Nick Oliveri (Baixo e Backing Vocals) e John Stanier (Bateria).
O “relincho” do cavalo na introdução é a deixa mais do que perfeita para o que esperar da música, uma batida cavalgada muito utilizada por bandas de metal como Iron Maiden, Saxon, Judas Priest. No refrão o pesado riff de guitarra dá lugar ára uma melodia harmoniosa quase Pop, mas que encaixa perfeitamente com a proposta musical.
O grande destaque vai para o line up que gravou a canção, que conta com um timaço de feras: James Iha, Chris Goss e Steve Durand nas guitarras, e a dobradinha Queens Of The Stone Age de novo com Nick Oliveri no Baixo e Josh Homme nos Backing Vocals.

12 – I Need I Want I Will
Line Up:
Melissa Auf Der Maur (Vocal e Teclado), Josh Homme (Guitarra, Bateria e Backing Vocals), Chris Goss (Backing Vocals) e Nick Oliveri (Baixo).
Não é ruim, mas um álbum desse quilate merecia um encerramento melhor. A melodia é repetitiva, a estrofe é praticamente falada e com a voz repleta de efeitos quase robóticos, enquanto apenas o refrão, também repetitivo, soa agradável aos ouvidos.

A MELISSA AUF DER MAUR HOJE

Melissa 2

Após o lançamento de Auf Der Maur, Melissa embarcou em uma turnê mundial que passou pela Europa, Ásia e pela América do Norte. Após o fim da turnê a baixista entrou no estúdio e começou a gravar o seu segundo disco solo que só foi lançado depois de seis do seu antecessor.

Out of Our Minds (2010) também foi produzido por Chris Goss e conta com a participação de um timaço de feras como Josh Freese na bateria, James Iha na guitarra e Glen Danzig nos vocais. Mas mesmo assim Out of Our Minds passou despercebido por muitos ouvidos e não teve o mesmo clamor e adoração do trabalho anterior. Sem contar que na época do lançamento, Melissa contraiu a gripe Influeza H1N1, a chamada “Gripe do Frango” e teve que adiar algumas datas e ficar de repouso.

Melissa Auf Der Maur hoje tem trabalhado como fotógrafa profissional e ao lado do seu marido, o diretor de filmes indie Tony Stone, tem um filho chamado River de quatro anos de idade. Musicalmente falando, Melissa não lançou mais nada após Out of Our Minds e pouco se envolveu com música. No ano de 2014 Melissa se reuniu com a formação clássica do Hole: Patty Schemel (Bateria), Eric Erlandson (Guitarra) e Courtney Love (Vocal e Guitarra), depois de 14 anos, em um evento que marcava o lançamento do documentário que conta a conturbada vida da baterista Patty Schemel e juntos tocaram a canção Miss World. Depois dessa apresentação muito se falou da volta do Hole com a formação original, mas até o instante momento nada foi confirmado.

Até quinta que vem.

Veja as colunas anteriores:
#01: By The Grace Of God – The Hellacopters (2002)
#02: Contraband – Velvet Revolver (2004)
#03: Relationship of Command – At The Drive-In (2000)
#04: Does This Look Infected? – Sum 41 (2002)
#05: Siren Song Of The Counter Culture – Rise Against (2004)

Anúncios
comentários
  1. […] Veja as colunas anteriores: #01: By The Grace Of God – The Hellacopters (2002) #02: Contraband – Velvet Revolver (2004) #03: Relationship of Command – At The Drive-In (2000) #04: Does This Look Infected? – Sum 41 (2002) #05: Siren Song Of The Counter Culture – Rise Against (2004) #06: Auf Der Maur – Melissa Auf Der Maur (2004) […]

  2. […] Look Infected? – Sum 41 (2002) #05: Siren Song Of The Counter Culture – Rise Against (2004) #06: Auf Der Maur – Melissa Auf Der Maur (2004) #07: Jennie Bomb – Sahara Hotnights […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s