Cinema, Fila Benário Fala

Assim como DiCaprio, Ennio Morricone enfim ganha o seu primeiro Oscar

US-OSCARS-SHOW

Na noite de ontem aconteceu a 88ª edição do Oscar, o grande prêmio da indústria do cinema, e é claro que toda a atenção da mídia, dos fãs e de qualquer terráqueo estava voltada para a categoria de Melhor Ator que contava com presença de Leonardo DiCaprio em sua quarta indicação ao prêmio, já que a sua primeira indicação ao Oscar em 1994 foi na categoria de Melhor Ator Coadjuvante pelo filme Gilbert Grape.

No entanto quem também ganhou merecidamente o seu primeiro Oscar pela sua colaboração mais do que estupenda para história do cinema foi o compositor italiano Ennio Morricone, pela a trilha sonora do filme Os Oito Odiados do diretor Quentin Tarantino.

O filme Os Oito Odiados
O filme Os Oito Odiados

Conforme já noticiado aqui, Morricone já havia ganho o Globo de Ouro desse ano pela impactante trilha do novo faroeste de Tarantino e era um dos favoritos ao Oscar, mesmo disputando ao lado de outro grande nome da trilha sonora, o também maestro e arranjador James Williams pelo seu retorno triunfante à franquia Star Wars. Os outros indicados a mesma categoria eram Carter Burwell pelo filme Carol, o islandês Jóhann Jóhannsson por Sicario – Terra de Ninguém e Thomas Newman por Ponte dos Espiões, o grande épico de Steven Spielberg. Mas os “deuses” do Oscar fizeram justiça naquela noite no Dolby Theatre na Califórnia e concedeu a Ennio Morricone o seu primeiro Oscar em 87 anos de vida e 70 de carreira dedicados a embalar, com as suas canções maravilhosas, a sétima arte.

Ennio Morricone e John Williams concorriam na mesma categoria
Ennio Morricone e John Williams concorriam na mesma categoria

Apesar já ter ganho um Oscar Honorário em 2007, essa foi a primeira vez que Morricone ganhou pela sua obra vigente. Com essa, ao todo, o maestro soma seis indicações, os outros filmes indicados ao prêmio de melhor trilha, com o toque do mestre, foram: Cinzas no Paraíso (1978), A Missão (1986), Os Intocáveis (1987), Bugsy (1991) e Malena (2000).

Antes de buscar a sua estatueta, Morricone deu um forte abraço em John Williams que estava sentado ao seu lado e já no palco do Dolby Theatre fez um emocionado discurso, em italiano, no qual exaltou a pessoa do próprio Williams, agradeceu ao diretor Quentin Tarantino pela oportunidade e emocionou a todos ao dedicar o prêmio a sua esposa Maria.
Veja um trecho da premiação e do discurso abaixo

Importante ressaltar que a trilha sonora do filme Os Oito Odiados marcava o retorno do compositor ao gênero western depois de 40 anos, e a mesma foi composta sob encomenda do diretor Quentin Tarantino sem o compositor ter assistido uma cena sequer do filme e mesmo assim o trabalho, como pode ser conferido abaixo, ficou fabuloso.

Mesmo que tardio, o Oscar se fez justo, para DiCaprio e principalmente para Morricone.

Anúncios
Cinema, Fila Benário Fala

Novo filme de Quentin Tarantino dá a Ennio Morricone o seu terceiro Globo de Ouro

Foto 1

Na noite do último domingo, dia 10, aconteceu a 73ª edição do Globo de Ouro, cerimônia que premia os principais destaques do cinema e da televisão, além de ser uma grande prévia para o Oscar, que acontecerá no final de fevereiro desse ano.

Entre os vencedores estava o ator Leonardo Di Caprio pela sua atuação no filme O Regresso, que aliás foi o grande vencedor da noite sendo premiado nas categorias de “Melhor Filme de Drama” e “Melhor Diretor” para Alejandro González Iñárritu. Ganhou também a atriz Kate Winslet de “Melhor Atriz Coadjuvante” pelo filme Steve Jobs, a cantora, e agora atriz, Lady Gaga na categoria “Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para a TV” pela série American Horror Story: Hotel. E o brasileiro Wagner Moura foi indicado na categoria “Melhor Ator em Série Dramática” pela sua impecável atuação na pele do traficante Pablo Escobar na série Narcos, mas viu Jon Hamm da série Mad Men pegar o prêmio.

Em sentido horário: Alejandro González Iñárritu e Leonardo Di Caprio, Kate Winslet, Wagner Moura e sua esposa Sandra Delgado e Lady Gaga
Em sentido horário: Alejandro González Iñárritu e Leonardo Di Caprio, Kate Winslet, Wagner Moura e sua esposa Sandra Delgado e Lady Gaga

No entanto na categoria “Melhor Trilha Sonora Original” (a que verdadeiramente interessa para esse humilde espaço) deu merecidamente o compositor italiano Ennio Morricone pela trilha do filme Os Oito Odiados de Quentin Tarantino. Morricone não estava presente na cerimônia e quem buscou o prêmio foi o próprio diretor que fez um discurso emocionado exaltando e muito o trabalho do maestro: “Morricone é o meu compositor favorito e quando digo compositor, falo de Mozart, Chopin, Schubert e Beethoven”, disse. Tarantino chegou a afirmar que o prêmio tinha um significado mais do que especial por ser o primeiro que Ennio Morricone ganhava nos Estados Unidos, mas o compositor já havia ganhado o mesmo Globo de Ouro em duas oportunidades, em 1986 por A Missão e em 1998 com A Lenda do Pianista do Mar.

Tarantino recebendo o prêmio no lugar de Ennio Morricone
Tarantino recebendo o prêmio no lugar de Ennio Morricone

Conforme já destrinchado aqui brilhantemente pelo colunista do Fila Benário Music, Willian Abreu, Ennio Morricone, de 87 anos, é mundialmente conhecido por grandes composições que se tornaram tema dos emblemáticos faroestes dirigidos por Sergio Leone, como a canção The Ecstasy of Gold, conhecida do filme Três Homens em Conflito (1966).

Em entrevista, Morricone disse que não esperava ganhar o prêmio, mas que ficou muito feliz e honrado. E quanto ao discurso de Tarantino, Ennio disse: “Tarantino exagera, é preciso um juízo histórico. O seu juízo é imediato, de uma pessoa gentil que quis fazer um elogio. Mas, é preciso esperar dois séculos para dizer o que ele diz”, ao ter sido comparado com os grandes compositores da música clássica.

A trilha sonora de Ennio Morricone para o filme Os Oito Odiados marca a volta do compositor para o gênero Western depois de 40 anos. Tarantino, um grande admirador de sua obra musical e que já utilizou músicas de Morricone em seus filmes como, Kill Bill Volumes 1 e 2 (2003 e 2004), Bastardos Inglórios (2009) e Django Livre (2013), literalmente tirou o compositor da aposentadoria, que segundos relatos, compôs toda a trilha sem ter assistido ao filme. E mesmo assim a canção de clima assombroso Overture caiu perfeitamente bem para a cena inicial do filme.

O filme em si é mais uma grande obra “Tarantinesca” que conta com os característicos diálogos que moldam a sua filmografia, além é claro de toda violência verborrágica que já lhe é esperada. E a sagrada música de Ennio Morricone vem embalar tudo isso de forma brilhante.

Que venha o Oscar.